DESTAQUES

Educar os filhos para a civilidade, é uma das formas de se prevenir violência

Ceres Alves Araujo 01/12/2017 PSICOLOGIA
Educar os filhos para a civilidade, é uma das formas de se prevenir violência
Fonte: imagem Pixabay
Pais e filhos/educação: dizer não dá trabalho, dizer sim é muito, muito mais fácil

por Ceres Alves de Araujo

Vivemos tempos violentos? Sem dúvida. Mais violentos que anteriormente? Muitos estudiosos consideram que não, mostrando que a civilização foi fundada sobre conflitos violentos, desde a Era Paleolítica. Para sobreviver o homem teve que dominar o outro, aumentar território, escravizar o inimigo desde o início dos tempos. Ao longo dos séculos, as guerras descreveram a violência que o ser humano é capaz.

Para viver em sociedade, o ser humano se tornou mais racional e civilizado, passou a aprender a controlar seus instintos, a aprender a reprimir o não sancionado pelas regras sociais, a viver segundo os padrões morais do grupo a que pertence e, atualmente, tentar fazer o “politicamente correto”. Entretanto, cada vez que a racionalidade falhou, a humanidade infligiu, sofreu ou conheceu violências de intensidades e consequências dramáticas.

O Brasil é considerado um País muito violento quando comparado com os demais. Estatísticas sobre roubos e assassinatos mostram aumentos alarmantes e são veiculadas pela mídia diariamente, trazendo medos de todas as ordens. Hoje, sem dúvida, se sabe, quase que em tempo real, tudo o que de mais violento acontece ao nosso redor.  

As causas da violência estão associadas à miséria, à fome, ao desemprego, mas as condições econômicas não justificam todos os tipo de criminalidade. Temos um Estado muito pouco eficiente em programas de educação e saúde básicas, sem programas de políticas públicas de segurança, com um poder Judiciário frágil que contribui para aumentar a percepção de impunidade e de injustiça.

É provável que as soluções para o problemas da violência no nosso país envolvam atitudes cabíveis ao poder público, mas também cabíveis a outros setores da sociedade, inclusive  à família e à escola.

Será que estamos criando e educando crianças para serem seres civilizados, empáticos e solidários com o outro e responsáveis pelo espaço que habitam? Possivelmente não. Várias escolas não sabem lidar com o bullying, nem nos jardins da infância, quanto mais nos anos subsequentes. Os bebês e as crianças na primeiríssima infância não são ensinados pelos pais a tolerar esperas, a conseguir adiar um pouquinho a satisfação de suas necessidades. E, isso continua durante toda a infância – época da vida fundamental para se aprender normas, regras e princípios que regem a convivência com os outros, nas diferentes situações sociais. Solidariedade, cidadania não são disciplinas escolares e não são temas que muitos pais acreditem serem importantes para ensinar e cobrar de seus filhos.  

Ainda que existam muitas crianças que têm um funcionamento psicológico desejável e uma adaptação social adequada, o que se observa, infelizmente de forma cada vez mais frequente, são crianças malcriadas e mal-educadas. São filhos que exigem de seus pais, a satisfação imediata de suas necessidades e desejos, que não toleram frustração, que não admitem serem contrariados, que não têm qualquer responsabilidade por suas ações, atribuindo aos outros a culpa por não terem tudo o que querem. São filhos que, em geral, confrontam, se opõem, desafiam e ameaçam os pais. Crescem como adolescentes ligados exclusivamente ao prazer imediato, com distúrbios de conduta e que amedrontam os adultos. Muitos chegam, na vida adulta, à delinquência e à criminalidade nas suas diferentes formas.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



Esses são sociopatas? Provavelmente se desenvolveram assim por falta das interdições necessárias para que suas psiques pudessem se organizar da forma desejável. Sabe-se que o “não” é o primeiro organizador da vida psíquica, mas muitos genitores têm medo de colocar e manter o “não” para seus filhos, por medo de não serem amados ou por adotarem ideologias de vida do tipo: o amor resolve tudo. Costumo dizer na orientação aos pais, que a maior prova de amor que poderemos dar aos nossos filhos é dizer “não”. O “não” dá trabalho, dizer sim é muito, muito mais fácil.

Talvez, criando e educando crianças para serem pessoas civilizadas, cidadãos solidários e responsáveis, possamos fazer nossa parte na tentativa de controle da violência que assola hoje a nossa sociedade.




TAGS :

    pais, filhos, dizer, não, dá, trabalho, educação, frustração, violência

Ceres Alves Araujo

É psicóloga especializada em psicoterapia de crianças e adolescentes. Mestre em psicologia clínica pela PUC-SP, Doutora em Distúrbios da Comunicação Humana pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, professora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC e autora de vários livros, entre eles 'Pais que educam - Uma aventura inesquecível' Editora Gente.



ENQUETE

É possível ser otimista no Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.